Fórum RPG somente para jogadores dentro o grupo. Caso tenta interesse em entrar, entre em contato com a administração.


    [#01] Jogo da Garrafa

    Compartilhe
    avatar
    Heike_Walker
    Áries

    Mensagens : 171
    Data de inscrição : 26/02/2014
    Localização : Na casa do caralho

    [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Heike_Walker em Ter Jan 27, 2015 1:46 pm

    Parando a moto no pequeno estacionamento próximo ao bar, Heike tirou o celular do bolso para conferir as horas. Estava atrasado.

    Não se importava com tal coisa mesmo que a ideia de irem a um bar para comemorar o ingresso de todos na faculdade fosse dele mesmo. Afinal, odiava esperar, mas não se incomodava em deixar os outros esperando, principalmente dois babacas como Harold e Zion. Dando um sorriso ladino, fitou a entrada do local, percebendo que ainda não estava muito cheio. Uma banda tocava musicas populares no fundo do ambiente e além da pequena pista em frente ao palco, havia uma área mais discreta e reservada com mesas perto do bar. Era um lugar agradável e alternativo, e estava contente de ter aceitado a sugestão de seu colega Lavi para irem ali.
    avatar
    taurusnero
    Touro

    Mensagens : 170
    Data de inscrição : 26/02/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por taurusnero em Ter Jan 27, 2015 2:11 pm

    Lavi o havia informado que tinha convidado alguns colegas para o bar onde trabalhava, e Nero não sabia dizer se aquela era a melhor das ideias. Bem, continuaria trabalhando, motando os drinks e agradando os clientes, e tentaria ao máximo evitar qualquer contato excessivo com as outras pessoas de início. Se fizesse algo de errado seria demitido, certo? E não podia se dar aquele direito. Tinha muitas contas a pagar.

    Então, ao que via as pessoas chegando, apenas mantinha seu eu profissional e os atendia da forma mais indiferente possível. Ao menos poderia ignorá-los até o bar esvaziar, afinal, sabia que Lavi o arrastaria para a confusão em algum momento.
    avatar
    Rin Damien
    Virgem

    Mensagens : 290
    Data de inscrição : 05/03/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Rin Damien em Ter Jan 27, 2015 3:03 pm

    Rin não queria estar ali. Normalmente aquele bar em particular era um local que apreciava, por ser relativamente quieto, com o barulho ambiente musical agradável ao fundo. Contudo, quase nunca achava tempo entre trabalhos e estudo para relaxar, e naquela noite, que por acaso estava livre, planejara apenas tirar seu sono atrasado até a manhã seguinte. No entanto, após certa insistência de Arthemis, de alguma forma aceitara o convite para encontra-la no bar.

    Adentrou o local, acenando com a cabeça com um sorriso educado para o bartender, antes de olhar em volta de modo a analisar o ambiente, e notar alguém que não esperava ver ali. Fazia tempo que não o via, apesar de ser um rosto familiar fazia anos; um dos amigos dos irmãos menores de sua melhor amiga. Ele já tinha idade para ir a um bar? Apesar da vontade de se sentar o mais longe possível – sabia o quanta confusão aquela pessoa poderia causar – decidiu por uma breve aproximação educada; além de que provavelmente não demoraria a ser visto. – Boa noite, Heike. O que está fazendo por aqui?  
    avatar
    Lavi Strauss
    Escorpião

    Mensagens : 80
    Data de inscrição : 12/06/2014
    Idade : 24

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Lavi Strauss em Ter Jan 27, 2015 3:31 pm

           Quando Arthemis comentou que seus irmãos haviam passado na universidade, Lavi sugeriu que fossem ao barzinho de costume para conversarem e conhecer os novatos, sempre ouviu ela e Rin comentarem deles, mas nunca os conheceu. Não sabia se a albina apareceria, mas lá estava Lavi chegando ao bar, sozinho não ficaria, um amigo trabalhava no bar e havia convidado um amigo de farra.
               
            Ao adentrar o deparou-se com o clima agradável que o lugar sempre tivera, olhou os balcões e viu Nero preparando um drink, sorriu e maneou a cabeça cumprimentando o amigo. Ao virar-se para o lado viu Rin, bom se o louro estava ali queria dizer que Arthemis viria com os calouros, sorriu vitorioso vendo que conseguira reunir um pequeno grupo, finalmente conheceria aqueles garotos que hora ou outra ela e Rin comentavam sobre; ao aproximar-se de seu veterano para cumprimenta-lo notou que ele conversava com Heike... Eles se conheciam? Não fazia ideia disso. 
           - Boa noite, Rin-senpai. - Passou um braço no pescoço do mais velho e encarou Heike. - Qual foi, Heike, você veio mesmo seu viado. Rin você tá cantando a pessoa errada, esse aí é tão passivo quanto você. - Disse espontaneamente para provocar ambos. 
    avatar
    Harold Wilhelm
    Capricórnio

    Mensagens : 163
    Data de inscrição : 26/02/2014
    Idade : 22

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Harold Wilhelm em Ter Jan 27, 2015 3:43 pm

    Aquela situação não era tão comum de acontecer. Se havia algo que nem ele nem sua irmã gostavam, era de bares ou qualquer lugar que acumulasse muitas pessoas e muito barulho. E mesmo que tivesse enchido a cabeça de Arthemis de perguntas, ela mesma só lhe dizia que “um amigo do curso me convidou e pediu pra te convidar”. Soava tão estranho que quase resolveu ir armado, mas deixou a paranóia de lado. Zion iria também, então qualquer coisa, jogaria o irmão em cima do problema e jogaria Arthemis pra fora de qualquer área de risco. Vestia qualquer roupa casual, com apenas as chaves do carro, carteira e celular distribuídos pelos bolsos internos da jaqueta que usava. Durante o trajeto, dirigia com o irmão ao seu lado, mais concentrando no trânsito do que em qualquer coisa que o mais novo estivesse balbuciando. Arrumar uma vaga no estacionamento foi complicado, o que diminuiu o humor de Harold em alguns níveis negativos. Puxou a gola da camisa do ruivo, com a outra mão fazendo sinais, que para as condições de Zion, queriam dizer “Chega disso ou eu te jogo na estrada.” Ele poderia simplesmente dizer, mas gostava de fazer ameaças em linguagem de sinais. Parecia que o caçula entendia melhor daquela forma.
    Travou as portas do carro assim que ambos saíram, analisando o bar assim que entrou na frente do ruivo. De imediato, procurava sua irmã, mas não a via. Por outro lado, viu dois rostos conhecidos e um estranho. Provavelmente, seria o “amigo de curso” que Arthemis havia comentado. Sem pressa se dirigiu a eles, saudando com a mão e com a mesma inexpressividade de sempre. A tempo de ouvir Heike e Rin serem chamados de “passivos”, arqueou uma das sobrancelhas e encarou o estranho de cima à baixo, julgando-o em silêncio por alguns segundos. Voltara aos dois que conhecia, perguntando o que lhe interessava apenas.

    Arthemis já chegou? — Afinal, o motivo dos outros estarem ali não lhe despertava a menor curiosidade.
    avatar
    Zionga
    Aquário

    Mensagens : 62
    Data de inscrição : 07/03/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Zionga em Ter Jan 27, 2015 5:20 pm

    Desde que Harold havia pausado seu jogo para lhe informar de forma desesperada — nem tão desesperada assim, porém como o conhecia a tempos, sabia que não era normal — que Arthemis iria para um bar com colegas de curso e haviam lhe chamado, Zion não pensara duas vezes em desligar o console antes mesmo de salvar, deixando-o completamente inquieto.

    Não era novidade pra ninguém que o ruivo e também considerado o caçula da família tinha uma paixão mais que grandiosa pela "irmã" de criação. Então não era incomum o comportamento super protetor do mesmo. E Harold também era como ele, tirando a parte da paixão mais que grandiosa para este, claro. Então se o irmão estava preocupado, o menino prodígio tinha motivos mais que ótimos para entrar em desespero.

    Foram dois dias inquietos, sem dormir — algo até normal diante da insonia que o rapaz tinha — e pra piorar, sem conseguir nenhuma produção em relação a seus programas. O que era um sinal claro de inquietação. Até que finalmente havia chego o dia em que teoricamente iriam sair.

    A verdade era que, de certo modo, Zion até queria aquela saída. Não era sempre que tinha a oportunidade de ter um contato real com a vida pessoal de sua paixão quase platônica. Então, por mais que estivesse apreensivo em relação as companhias da menina, também estava apreensivo por si mesmo. Um tanto incerto, vestiu algo que sempre gostara, bem no estilo fazenda que sempre viveu. Entretanto, atualmente chamariam aquilo de vestimentas hipster's. E como não tinha certeza se não era só mais uma das pegadinhas de Harold, decidiu levar alguns de seus consoles portáteis e, claro, seu celular com alguns de seus projetos.

    Quando lhe fora avisado que Arthemis já tinha ido, foi a gota d'água. Começou a reclamar no ouvido do irmão que obviamente não estava nem ai para o que falava. Mas não podia deixar de reclamar, afinal, estavam falando da irmã alheia, aquela com quem mais se importava naquela vida. Não podia simplesmente manter o seu eu normal em uma situação daquelas. Ou ao menos, até seu irmão o ameaçar daquela forma. Foi então que fizera a expressão famosa de passar o zíper sobre os lábios, fechando-os.

    Dai por diante, tratou de puxar seu celular, passando a mexer no mesmo, trabalhando e utilizando um de seus mais novos projetos enquanto acompanhava o albino com certo desgosto. Nem sequer deu muita atenção para quem estava ali, mas rolou os olhos mentalmente quando vira — sem tirar os olhos do smartphone — Rin e Heike. Desse ultimo ainda gostava, porém era praxe inicialmente ficar daquela forma com a presença alheia. Ainda mais se o amigo aparecesse em festas, a fama dele em tais locais nunca fora muito boa. Dessa forma nem cumprimentou ninguém, tal qual seu irmão, apenas ficou atento a resposta da qual estava muito interessado.
    avatar
    Arthemis W.
    NPC

    Mensagens : 53
    Data de inscrição : 10/12/2014
    Localização : Na cova

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Arthemis W. em Ter Jan 27, 2015 6:12 pm

    Não sabia ao certo a razão específica que Lavi tinha em mente para chamá-la ao bar e ainda pedir para que convidasse seus irmãos e Rin. Sabia bem também que havia deixado Harold e Zion preocupados, devido a essa falta de explicações maiores com motivos plausíveis. Foi convidada e apenas isso. Mas bem, que mal havia nisso? É claro que preferiria ficar em casa, se distraindo com qualquer outra coisa mais tranqüila e silenciosa do que um lugar com aglomerações. Mas se o fizesse sempre que batia a vontade, acabaria ficando como seus irmãos. O que não era de todo ruim, mas também não era muito bom. Socializar fazia bem às vezes, afinal. Como não sabia do que se tratava e o lugar era simples, preferiu se vestir de maneira discreta, com roupas leves também para que evitasse qualquer “problema”. O que não adiantou muito. Mas para sua sorte, assim que chegara, não havia ninguém conhecido e estava relativamente “cedo”.

    Sem muito trabalho e só um pouco desconfortável pela tontura momentânea - mas fraca - dirigiu-se ao banheiro feminino do estabelecimento.  Apoiou-se na pia de mármore, respirando fundo e procurando manter o equilíbrio de todo o corpo. Depois de lavar o rosto algumas vezes, pode sentir gradativamente a tontura passar aos poucos. Evitaria beber naquela noite. Algumas jovens entravam e saíam e perguntavam se ela estava bem. Apenas respondia com um aceno e um sorriso. Havia deixado a bolsa no carro junto com seus remédios de pressão, mas não seria necessário. Suspirou uma última vez, encarando-se no enorme espelho e sentindo um alívio por ter decidido não se maquiar. Ou não teria como retocar depois de ter lavado o rosto. Quando resolveu sair, percebeu a pequena aglomeração de rostos conhecidos, além de seu irmão de sangue perguntando por si. Analisou-o de longe, ligeiramente apreensiva, procurando qualquer coisa suspeita que ele pudesse estar carregando. Não viu nada, sentindo alívio. Acenou ao barman que estava próximo, não deixando de ser educada com qualquer funcionário trabalhando onde ela estava – não custava nada, afinal. Aproximou-se dos cinco rapazes, parando ao meio dos irmãos mais novos, tocando ambos nas costas e apertando de leve o tecido de suas roupas.

    Aqui. — Respondendo a pergunta do caçula de sangue, soltou-os. Sorriu gentilmente para Heike, pois não o via a um tempo maior do que havia visto o resto. Voltou-se para o moreno, cruzando os braços. — Se era apenas para reunir os amigos, não era algo tão complicado de me explicar, Lavi. — Retrucou, com o tom de voz sereno, como sempre. — Obrigada por vir também, Rin. Achei que não havia conseguido te convencer. Já pediram alguma coisa?
    avatar
    Heike_Walker
    Áries

    Mensagens : 171
    Data de inscrição : 26/02/2014
    Localização : Na casa do caralho

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Heike_Walker em Ter Jan 27, 2015 7:04 pm

    Ao contrário do que esperava, não encontrou Harold e Zion lá assim que entrou e tal coisa só não fez o ariano praguejar com a perspectiva de ter que esperar eles, pelo fato de ser abordado quase no mesmo instante.

    Rin. - Cumprimentou com certa surpresa por ver o mais velho naquele ambiente. O conhecia de longa data e apesar de não serem exatamente próximos sabia muito bem que aquele não era um lugar em que o outro iria para se divertir por conta própria, era sério demais para isso. A surpresa porém o fez abrir um sorriso ao que o fitava de cima a baixo. Ele parecia menor do que se lembrava. Estava prestes a lhe responder quando um vulto se aproximou e pôde ver Lavi passar o braço ao redor dos ombros finos do loiro. - RIn-senpai. - Repetiu num deboche descrente vendo que se conheciam logo após ouvir o maior se dirigir ao outro daquela maneira, então fez um minuto de silêncio depois da gracinha. Abrindo um sorriso quase selvagem, agarrou o moreno pelo colarinho e o puxou num movimento brusco para mais perto, praticamente rosnando, apesar do tom divertido. - A noite nem começou e você já tá
    pedindo pra apanhar, filho da puta?

    Porém, logo a irritação foi direcionada pra outra pessoa, mais especificamente um albino rabugento que se aproximava. Ainda sem soltar Lavi, lançou um olhar agressivo para os dois amigos e resmungou, ignorando a pergunta. - Se for pra atrasar tanto, da próxima vez não vem. E dá um tempo nesse seu complexo de irmão. - Exagerou, soltando o outro com um pequeno empurrão e batendo nas próprias roupas como que para tirar a poeira. Sabia que os dois não queriam estar ali e estava contente por terem vindo, independente do motivo. Não que fosse demonstrar, é claro. Apesar de se verem quase sempre, nunca saiam juntos e as vezes isso era frustrante para alguém tão extrovertido quanto Heike. Péssimos ou não, gostava de ter os amigos por perto.

    Arthemis! - Murmurou então ao ver a mulher, pálida como sempre se aproximar e cumprimentar a todos. Era realmente uma surpresa para o ariano ver que ela realmente estava ali também. Sentindo-se mais animado com a presença dela, respondeu com um aceno negativo. - Não, os dois idiotas aí acabaram de chegar. Mas vou pedir algo para nós. - Disse com um sorriso, deixando implícito no tom que estava deixando os outros de lado. Assim, afastou-se um pouco até o balcão do bar e logo foi pedindo dois coquetéis de frutas sem álcool e uma cerveja, quando reparou melhor com quem estava falando. O barman era um homem grande, moreno e exótico, e movia-se com destreza e seriedade preparando os drinks. Engoliu seco, passando os olhos pelo seu corpo. Talvez a noite fosse ser ainda mais interessante do que pensava.
    avatar
    taurusnero
    Touro

    Mensagens : 170
    Data de inscrição : 26/02/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por taurusnero em Ter Jan 27, 2015 7:37 pm

    Seu trabalho não era apenas preparar bebidas, pelo contrário, haviam diversos subtópicos que se encaixavam no "servir". Tinha que ser agradável de se ver (e, por isso, usava o uniforme muito bem arrumado no corpo forte, e os cabelos longos adequadamente jogados para trás e presos em um rabo de cabelo baixo), precisava entreter (por tal fato aprendera diversos truques ao preparar os drinques), e, acima de tudo, precisava ser simpático o suficiente para estabelecer uma relação confortável com os clientes. Por isso, a cada vez que recebia um cumprimento, retribuía com um olhar direto e uma variedade de respostas, que iam de um menear silencioso de cabeça a um boa noite relativamente sonoro, já que não se sentia confortável em expor o sotaque em um tom muito alto; tudo de acordo com o tipo de cliente a quem se dirigia.

    Porém, naquela noite, acabara se atrapalhando logo após ser cumprimentado por um rapaz pequeno e de cabelos loiros. Era alguém que já havia decorado a face, afinal, ia lá algumas vezes, normalmente sozinho, e passava um tempo que Nero imaginava ser algo que o relaxava. Mas as orbes de tons diferentes do moreno começaram a segui-lo com mais frequência do que o convencional, e demorou bastante para que percebesse, porém havia desenvolvido uma leve queda pelo jovem relativamente desconhecido. Graças à tal sentimento, fora desajeitado ao cumprimentá-lo de volta, apesar da expressão neutra natural, e fora por pouco que não derrubara o copo que limpava.

    Xingando-se mentalmente, acabou por cometer mais alguns deslizes ao se dirigir a outras pessoas, mas ao que Lavi aparecera diante de si, sentira a razão voltar ao seu lugar natural e apenas arqueou uma sobrancelha ao vê-lo menear a cabeça em sua direção, antes de sorrir de forma discreta. Aquele era o sinal da confusão, certo? E fora uma surpresa perceber que ele se juntara ao loiro que observava e a um outro, que acompanhava o menor, e que não trouxera exatamente felicidade a si ao notar como ele conversava com seu interesse platônico. Suspirou, voltando a focar em seu trabalho.

    Somente desviara a atenção ao perceber uma jovem se aproximar dos rapazes e notar o acenar em sua direção, ao qual respondeu com um sorriso pequeno e um menear de cabeça. E fora quando arrumara taças limpas em seu devido lugar que notou a aproximação de um dos homens. Rapidamente anotara todos os pedidos que ele fizera mentalmente, e, com uma destreza sem igual, tratou de preparar cada um dos pedidos, tomando o cuidado de apresentá-los da melhor forma possível, mostrando cada ingrediente dos coquetéis (para deixar claro que não havia álcool nos mesmos) e os tipos de cerveja com que trabalhavam, servindo ao menor a bebida escolhida. Deseja mais alguma coisa, senhor?
    avatar
    Rin Damien
    Virgem

    Mensagens : 290
    Data de inscrição : 05/03/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Rin Damien em Ter Jan 27, 2015 8:02 pm

    Mal tivera tempo de ouvir qualquer coisa vinda de Heike quando Lavi surgiu a seu lado, como sempre, invadindo seu espaço pessoal de modo desagradável  e o chamando de senpai; uma brincadeira por, apesar de não possuir qualquer traço físico do Japão, possuir um nome japonês. Porém, a isto, estava acostumado, e poderia apenas ter arqueado uma sobrancelha, se não fossem as próximas palavras. Seu calouro conhecia Heike, e tinha intimidade o suficiente para fazer aquela brincadeira e quase apanhar como consequência.  -  Melhor ele do que você, Lavi. Qualquer um, na verdade. – Retrucou, apenas, em um tom extremamente suave, sem qualquer indício de sarcasmo apesar do que era dito. Porque é claro, Rin frequentava bares para catar pessoas. Claro.

    Fora a vez de outros dois conhecidos se aproximarem, desta vez os irmãos menores de Arthemis, perguntando por ela. Questionava em sua mente se fora ideia da mesma reunir todos, e por que razão chamaria o loiro, então. Acreditava que ela o conhecia o suficiente para saber que a companhia de todos no local – menos dela e de Lavi – o desagradava. Não necessariamente por serem pessoas ruins; por serem animados, espontâneos, bagunceiros e violentos demais, conforme as circunstâncias. Assim que a pessoa extremamente branca a quem procuravam surgiu em sua vista, a questionou com o olhar sobre o motivo daquilo, mesmo que de algum modo seus pensamentos se amenizassem ao ouvir o agradecimento.

    Decidiu, no fim das contas, que ficaria. Afinal, Heike também, por alguma razão, lhe pedira uma bebida. Ou acreditava que fosse para si; talvez fossem duas para Arthemis. Não entendia como funcionava a mente alheia. Com isto, acenou com a cabeça para as mesas próximas do bar. – Vamos nos sentar, então?
    avatar
    Lavi Strauss
    Escorpião

    Mensagens : 80
    Data de inscrição : 12/06/2014
    Idade : 24

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Lavi Strauss em Ter Jan 27, 2015 8:36 pm

              Quando o ariano o agarrou Lavi mandou alguns beijinhos para irritar ainda mais o outro. Não que muito fosse necessário para tirar ele do sério. Lavi gostava do comportamento do louro, ele era uma das melhores companhias que se poderia ter para uma noitada. 
              Lavi observou atentamente os irmãos de Arthemis e ficava bastante claro quem era quem, o irmão de sangue meio psicopata era o albino, Harold e o outro era o nerd Zion, Lavi nunca os conheceu pessoalmente, mas seus veteranos falavam bastante dos dois. 
             - Direto na minha masculinidade, Rin. - Lavi disse em um tom falsamente sério e ofendido, mas logo sorriu para o mais velho. - Acredite, você não iria gostar de nada do que ele faz. - Comentou brevemente e mudou o assunto cumprimentando sua veterana e os calouros: - Obrigado por vir, Arthemis. Olá, Harold, Zion, é um prazer finalmente conhecê-los. - Levantou levemente os lábios num sorriso singelo para cumprimenta-los. - Espero que gostem do bar, uma festinha para nossos calouros. E tudo por nossa conta. - Lavi disse apontando para o trio de futuros médicos, não sabia se Arthemis e Rin contribuíram para isso, mas não se importava se tivesse que pagar tudo, e esperava que Heike não ouvisse isso ou o loiro ira leva-lo a falência. 
               
                 Enquanto os demais sentavam-se olhava Heike pegando as bebidas para alguns deles ali com Nero e ao mesmo tempo via que o louro comia o moreno com os olhos. Sorriu vendo que ele já havia se interessado por alguém, rápido como sempre não é mesmo, Heike? Decidiu fazer o mesmo que o outro, iria pegar algumas bebidas para ele e os demais.
                 - Querem algo em particular? - Perguntou educadamente aos garotos. 
    avatar
    Harold Wilhelm
    Capricórnio

    Mensagens : 163
    Data de inscrição : 26/02/2014
    Idade : 22

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Harold Wilhelm em Ter Jan 27, 2015 8:54 pm

    “Complexo de irmão” não poderia definir melhor sua preocupação com a irmã mais velha. Como resposta ao loiro, Harold riu abafado, pretendendo sair para procurar a primogênita. Porém, antes que fosse, sentiu algo na curva de suas costas apertar o tecido da jaqueta, fazendo-o olhar para o lado e ver a cabeça esbranquiçada de sua irmã, menor que ele e Zion. Certificando-se de que ele estava bem, satisfez-se apenas com a presença da outra. Mais aliviado, começou enfim a prestar atenção em outras coisas, como a felicidade alheia de Heike ao ver a albina, por exemplo. Desde quando a garota começou a ter um integrante a mais no fã clube inaugurado por Zion? Revirou os olhos, sabendo bem que a gentileza do amigo não ia longe o suficiente para agradar a todos à sua volta. Ainda se surpreendeu no loiro pedir algo para alguém além dele mesmo. Bateu o olhar no barman, analisando a forma como ele preparava os pedidos feitos e sentindo uma leve vontade de tomar algo. Talvez fosse um desperdício não aproveitar algo preparado por alguém que sabia como fazer de fato. Entretanto, algo ecoou em seus ouvidos e não poderia perder aquela chance de forma alguma. Abafou a risada com as costas da mão esquerda, aproximando-se de Heike e estapeando-lhe nas costas com força.

    É difícil te ver fazendo agrado pros outros, hein? Que que foi que te deu hoje, “senhor”? — Provocou, já sabendo o que esperar de pior resposta, por via das dúvidas. Mas, antes de qualquer coisa, afastou-se e concordou com a ideia dada por Rin.
    Por alguns minutos, parou para ouvir o anúncio feito pelo estranho que aparentemente se chamava Lavi, pelas vezes que o nome foi repetido. Olhou de esguelha para o irmão, verificando se estavam, como na maioria das vezes, pensando a mesma coisa. Já sei quem eu vou jogar na estrada hoje, no seu lugar. Comentou em linguagem de sinais, com a mão esquerda, na direção de Zion ao seu lado. Continuou encarando o moreno com a inexpressão de sempre, até se aproximar pouco e comentar diretamente.

    Você parece meu tataravô falando. Quero nada. Por enquanto. — Respondeu também a pergunta posteriormente feita, antes de se virar e acompanhar os outros à mesa escolhida, tratando de sentar no canto.
    avatar
    Zionga
    Aquário

    Mensagens : 62
    Data de inscrição : 07/03/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Zionga em Ter Jan 27, 2015 9:37 pm

    A atenção do ruivo só fora retirada do celular quando sentira mãos em suas costas, meio que o puxando. Um pouco exagerado e até mesmo surpreso pela ação repentina, virou-se para Arthemis e logo o maior sorriso possível — ou talvez até o impossível — instalou-se sobre seus lábios. Ela estava linda, como sempre, e um amor, como sempre também. Suspirou baixinho, já desviando o olhar da mulher para guardar ao menos por hora o celular. Com certa pressa e até mesmo urgência, tratou de conversar com a albina por linguagem de sinais, como quase sempre costumava fazer com a mesma. Não tinha muita habilidade para falar com sua crush, na verdade, não tinha muita habilidade pra falar com as pessoas, com ela então... O assunto foi rápido, apenas um "'Mis! Você está linda, viu? Só não gostei muito do lugar, você que escolheu?" E logo após olhar para a mesma um pouco mais constatou meio que o óbvio, aproveitando que o irmão parecia distraído com Heike "Você não parece muito bem, poxa... Alguma recaída? 'Tá tomando os remédios? Se não se sentir bem outra vez não esquece de avisar, ok?" Estava sendo um pouco chato, provavelmente, mas não podia se conter. Importava-se muito com a irmã adotiva para pensar naquele detalhe.

    Porém não tardou para Zion acabar tendo reflexos da conversa, ou deveria dizer zoeira, entre Harold e Heike. Não pode deixar de rir do momento, que mesmo não tendo tido total atenção ao assunto, tinha percebido, tal como todos ali provavelmente tinham também. — O senhor está muito caroidoso hoje, ou então com muita sede pra se dispor a ficar um pouco mais no balcão. — Falou um pouco mais lento e até um pouco mais fanho que o normal, graças a sua maravilhosa surdez parcial. Mas assim como Harold, decidira deixar o amigo mais de lado com a proposta ótima de uma mesa. Pelo menos assim ele poderia ficar parcialmente em paz e com apoio para talvez, fazer algum adianto no seu trabalho pessoal.

    Estava prestes a retirar o celular do bolso quando o esquisitão começou a falar. E toda sua expressão por um momento fora de "who the fuck is this asshole". O que parecia ter sido a mesma coisa que seu irmão pensara, deduzido pela fala do mesmo em sinais. Discretamente, mas ainda rápido, respondeu com apenas uma das mãos "Acho que dessa vez você vai ter alguma ajuda, ou uma total ajuda, bro." E então direcionou seu olhos verdes para Arthemis em um tom de dúvida, provavelmente. "Não gostei dele também... Só tem gente que nem os dois em medicina? Tirando você, claro." Não conseguia acreditar muito que sua paixão platônica andava com gente daquele tipo. Mas, era a vida dela e infelizmente não podia opinar muito. Respirou fundo e suspirou, pegando o aparelho telefônico de vez e enfiando-o na cara, isolando-se dos outros perto de Harold no canto.

    Se for 'cê que vai pagar, comida seria baú. Tipo, bastante. — Respondeu sem necessariamente tirar a atenção da tela, dando de ombros para o caso de estar sendo nada educado, como sempre. Estava com fome e tinha a vaga impressão que Harold iria gostar da ideia de comer de graça.
    avatar
    Arthemis W.
    NPC

    Mensagens : 53
    Data de inscrição : 10/12/2014
    Localização : Na cova

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Arthemis W. em Ter Jan 27, 2015 10:20 pm

    Conhecia Heike há tempo suficiente para esperar aquela atitude do rapaz. Seria abuso demais exigir que pedisse para todos, mas também se ficasse quieta, seria injusto com o restante. Porém, as palavras de Lavi a fizeram de indignar por segundos. Franziu o cenho, fitando o moreno de forma reprovadora.

    Acho que nem eu, nem Rin viemos preparados pra pagar coisas pra todo mundo, Lavi. Se está tão disposto assim, pague você mesmo e aprenda a avisar antecipadamente as coisas para as pessoas que convida. — Era raro ver Arthemis chamar a atenção de alguém. A repreensão foi dada de forma direta, mas sabendo que provavelmente, o rapaz não a ouviria como gostaria. Deu de ombros, suspirando e deixando o assunto de lado, voltando sua atenção para o caçula de criação.

    Achava sempre uma graça quando o rapaz puxava assunto por linguagem de sinais. Ele não era muito bom na fala e Arthemis considerava aquilo como certo cuidado que ele tinha, em tentar “conversar direito” com ela. Agradeceu ao elogio, ligeiramente sem jeito quando não havia sequer pensado em parecer “bonita” para a ocasião. Na realidade, raramente pensava no assunto. Suspirou com o comentário feito, balançando a cabeça positivamente e começando a movimentar as mãos, em resposta ao maior. “Eu me senti um pouco tonta agora há pouco. Mas já estou bem e estou medicada. Faz tempo que não tenho quedas grandes de pressão, então, não tem problema, tá? Obrigada por se preocupar, Zion.” Permanecia sorrindo de forma dócil, contente com a consideração do mais novo para com sua saúde. Percebia a movimentação de Harold, seguida do ruivo e resolveu que seria melhor não interromper por enquanto. Era uma cena comum entre o trio desde que eram crianças. Mesmo que alguns olhassem de maneiras negativas, Arthemis via a amizade dos três como algo espontâneo. Embora tenha tido que separar algumas muitas brigas, nunca perdia a graça de vê-los interagir. Até que viu os sinais de seu irmão mais novo biológico. Começou... Embora tivesse que concordar em parte – Lavi tinha seu jeito peculiar de ser, mas sabia que não agradava a maioria e, sabia também que o mesmo não fazia a menor questão de mudar suas maneiras -, não aprovava quando os dois resolviam falar mal das pessoas em linguagem de sinais, na frente delas, para que as mesmas não compreendessem. “Não podem jogar ninguém em lugar nenhum. Estou de olho nos dois.” Respondeu à Zion, não exatamente a pergunta que foi feita. Permaneceu no balcão, juntamente a Lavi e a Heike, enquanto via os outros irem à mesa.

    Não ofereça as coisas tão fácil assim aos dois, Lavi... Eles vão tirar proveito e você vai se arrepender depois. — Avisou, realmente preocupada com o tanto de dinheiro que seu colega teria de gastar, se por um acaso óbvio, Harold e Zion resolvessem pintar e bordar com a ideia de comer de graça.
    avatar
    Heike_Walker
    Áries

    Mensagens : 171
    Data de inscrição : 26/02/2014
    Localização : Na casa do caralho

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Heike_Walker em Ter Jan 27, 2015 11:02 pm

    O jovem se encontrava quase distraído e quase hipnotizado com a perícia que o barman trabalhava, porém, quando foi chamado de senhor sentiu como se um balde de água fria o trouxesse para a realidade. Outch, pensou enquanto se ajeitava no lugar e desviava o olhar, hesitando um momento ao respodê-lo. Tudo bem, ele estava apenas trabalhando, aquilo não significava nada mesmo. - Ahm, eu, não sei.. - Disse num fio de voz, guiando as orbes escuras até os amigos, vendo Lavi tagarelar como de costume.

    Antes que pudesse falar qualquer coisa, escutou os comentários maldosos de Harold e de Zion, e sentiu o rosto ficar quente, provavelmente vermelho de vergonha e raiva. Acabou rindo e empinando o nariz, mostrando o dedo do meio para os dois cretinos como se não tivesse sido afetado pelos comentários engraçadinhos. Estalou os lábios vendo os dois se isolarem e então riu, colocando uma mecha da franja atrás da orelha ao que se virava para Lavi. - Deu mole cara, eles vão te extorquir agora. - Conseguiu comentar antes de Arthemis chamar a atenção dele com uma cortada, muito mais delicada do que ela costumava fazer consigo e os amigos quando aprontavam. Só podia rir diante daquilo e dar um tapa no ombro do amigo, balançando a cabeça negativamente.

    Logo voltou-se para o barman e com um sorriso divertido pediu também uma garrafa da vodka mais forte que tinha ali. - Obrigado, senhor barman. - Murmurou assim que tudo ficou pronto, dando um ênfase provocativo ao repetir a palavra que fora usada antes a si. - Essa aqui é por minha conta, babaca. Se vira com a comida. - Comentou para o estudante de medicina, piscando e se afastando com as bebidas junto de Arthemis em direção à mesa.
    avatar
    taurusnero
    Touro

    Mensagens : 170
    Data de inscrição : 26/02/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por taurusnero em Qua Jan 28, 2015 2:17 pm

    Estava atento ao rapaz a quem atendia, ao menos até percebê-lo desviar o olhar e se distrair com os próprios amigos. Aquela fora a deixa para que o próprio Nero desviasse a atenção e buscasse arrumar a bancada que inevitavelmente bagunçara ao preparar os drinks. Cada objeto foi ao seu lugar, e isso da forma mais rápida possível, antes que pudesse escutar mais uma vez a voz do cliente, a quem recepcionou com um sorriso mínimo (indiferente à vergonha que fizera o mesmo passar junto aos amigos), e para que logo atendesse seu último pedido sem pestanejar. Ao agradecimento, respondera com um menear da cabeça, sem entender muito bem o porquê da ênfase posta à palavra educada (e à qual não ouvia com muita frequência voltada a si).

    Sua preocupação, no entanto, crescera em mil porcento diante do último pedido do rapaz. Aquele loiro era amigo de Lavi, então era uma das pessoas que ele arrastara ali e um daqueles que participariam da "festa". Sendo assim, e em uma associação bem simples, era óbvio que aquela bebida era uma das partes da comemoração, e um líquido tão forte, junto a universitários, e, pior, pessoas com que Lavi convivia... Tinha medo do que poderia acontecer. E rezava a cada instante para que nada ali fosse destruído.

    No entanto, fora com um leve agrado que notara o tempo passar e nada mais que conversas altas virem do canto em que o grupo estava. Claro, pareciam ter momentos mais calorosos, onde temera o surgimento de uma briga, porém foram coisas simples o suficiente para que apenas terminassem em xingamentos e risos (o que lhe arrancava suspiros aliviados com frequência).

    Aos poucos o bar esvaziava, o tipo de música mudava para algo ainda mais tranquilo, e mesmo o grupo de clientes mudava. Pessoas mais reservadas, que pareciam estar ali apenas para curtir um tempo com seus parceiros, e ouvir uma boa música acústica; onde não se encaixava o grupo de jovens ao canto, obviamente. Por fim, lhe sobrava pouquíssimo trabalho, e se ocupava em limpar tudo e esperar o expediente terminar. Assim que acabasse não precisaria se preocupar com as pessoas que jaziam bêbadas e tentaria fugir o mais rápido possível para sua casa... Não queria ter que acabar em alguma bagunça induzida por seu amigo.

    avatar
    Lavi Strauss
    Escorpião

    Mensagens : 80
    Data de inscrição : 12/06/2014
    Idade : 24

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Lavi Strauss em Qua Jan 28, 2015 4:57 pm

        A hora estava realmente passando rápido, os irmãos de Arthemis, apesar, de meio antissociais eram legais, hora ou outra falavam algo que realmente irritava Heike, e ver o loiro irritado era sempre engraçado. Não sabia como tinham tanto de assunto que tinham, considerando que chegaram cedo e que o bar estava praticamente vazio algora, além de perto de fechar então essa seria uma hora propicia para apresentar Nero aos outros e talvez alguma brincadeira para animar as coisas um pouco já que ficaram bem paradas durante toda a noite.

            Levantou-se sem avisar ninguém, provavelmente achavam que ele foi buscar mais bebida, mas não dessa vez, todo mundo já tinha bebido o suficiente, acreditava, até pareceu conversa fiada o que falaram de Harold e Zion, eles apenas se entupiram com uma ou duas porções de batata frita com queijo. Ao chegar ao balcão viu Nero segurando uma garrafa vazia e isso lhe dera uma ideia bastante divertida por sinal.
              
           - Vem, Nero. Vou te apresentar ao pessoal. Todos estudam ou vão estudar na universidade que você passou. - Dada a expressão de porta do maior, Lavi apenas o segurou pelo pulso e começou a puxa-lo. - Não aceito não como resposta. 

            - Ae. - Disse chamando atenção e passando o braço no pescoço do maior, mais para segurar a si mesmo do que para fazer alguma graça. - Esse é meu calouro favorito! Qual foi Heike? Olha você e olha ele, obvio que ele é melhor. - Disse só para provocar o ariano. - Aquele é o Heike, Arthemis, Rin e aqueles dois são os antissociais, Harold e Zion. - Disse apontando cada um deles. - O Nero me deu uma ótima ideia, vamos brincar do jogo da garrafa! E vocês dois nem pensem em negar. - Lavi disse encarando seus veteranos. - E você já tá livre, Nero. Nem pense em sair. - O moreno disse fazendo o outro sentar-se de frente para Heike. 

              Assim que se apertaram naquela mesa para que todos conseguissem um espaço nela, Lavi colocou a garrafa na mesa e a girou, depois de algumas voltas a garrafa foi desacelerando e parou com o gargalo apontado para Rin e o fundo para si mesmo. Não acreditava que isso havia acontecido, chegava a ser engraçado e trágico pelo que o menor dissera mais cedo, apenas sorriu de canto esperando que o menor fizesse seu movimento. 
                
    avatar
    Rin Damien
    Virgem

    Mensagens : 290
    Data de inscrição : 05/03/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Rin Damien em Qua Jan 28, 2015 5:34 pm

    Apesar de anteriormente estar hesitante, conforme o tempo passava Rin sentia-se relaxar cada vez mais. Não tocara em álcool – não fazia questão de tal substância e muito menos gostava do próprio comportamento quando bebia – porém as conversas eram divertidas, apesar de em grande parte do tempo apenas observar e rir das idiotices alheias, apenas comentando quando um assunto lhe interessava. Não fora uma noite ruim. Ao final dela, a maioria deles estava extremamente bêbado, e imaginava que logo sairiam. Já ele próprio, sentia que o cansaço vindo da falta de uma boa noite de sono o alcançara, e vez ou outra piscava e via cada vez mais dificuldade em manter os olhos abertos.

    Lavi fora o primeiro a se retirar da mesa, e mal se perguntara se todos começariam a ir embora quando ele voltou com o barman, o apresentando como um calouro e lhes informando que o novato tivera a ideia de jogar o jogo da garrafa. – Olá. Não culpe os outros por suas ideias, Lavi. – Cobriu a boca ao bocejar após dizê-lo, refletindo do que lembrava daquele jogo. Era um jogo simples, estúpido, feito para adolescentes hormonais se beijarem sem razão aparente. ”Vocês dois nem pensem em negar”, huh. Apenas esperaria que nenhuma ponta da garrafa caísse sobre si.

    Pensamento frustrado ao início imediato do jogo.

    O gargalo para si significava que o loiro teria que beijar, certo? Encarou seu calouro com uma expressão neutra, os pensamentos correndo brevemente por sua mente. Não queria beijar ninguém ali, porém, sendo parte do jogo, teria o que fazer; o que não significava que precisasse ser um beijo profundo. Por mais que se sentisse desconfortável com o ato e sem animação alguma para se levantar da poltrona confortável que rodeava a mesa, o fez, sinalizando ao outro para fazer o mesmo, e inclinou-se brevemente para que seus lábios tocassem aos de Lavi apenas por um segundo, antes de voltar ao lugar. – Emocionante. – Mesmo levemente envergonhado com a ação, não conseguiu evitar o comentário. Girou novamente a garrafa, observando-a parar de girar lentamente, desta vez parando em um par certamente mais hilário. O gargalo para Harold, o fundo para Heike.
    avatar
    Harold Wilhelm
    Capricórnio

    Mensagens : 163
    Data de inscrição : 26/02/2014
    Idade : 22

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Harold Wilhelm em Qua Jan 28, 2015 6:47 pm

    Não havia visto o tempo passar durante as conversas e constantes implicâncias com basicamente todos na mesa. Era a forma como Harold conseguia socializar. Sendo também um dos que contribuíram para esvaziar a garrafa de vodka, não estava bêbado e nem alto, mas não estava mais mal humorado também. Quando pensou que seria uma boa ideia aproveitar a antiga oferta de Lavi sobre “pagar a conta geral”, o mesmo saíra da mesa indo atrás do bartender. Entendeu a intenção logo depois do mais velho apresentar o moreno, que o albino não fez questão de cumprimentar com muito mais que um olhar direto.

    A ideia era ridícula, obviamente. Durante todo o tempo, Lavi só havia se mostrado o quão inútil conseguia ser. Agora, é claro, conseguia enfiar todo mundo em uma gracinha sem saída. Pensou que seria uma boa ideia se retirar dali e, ao ver a garrafa girar, sua tensão aumentou de uma forma maior ainda se lembrando de que Arthemis estava na roda. Não se importava nem um pouco se ela beijasse ou fosse beijada por alguém. Era sua irmã mais velha, não é como se precisasse tomar conta dela como se fosse uma criança burra e inocente – embora ela fosse meio lerda. Mas ainda assim, levando em consideração o tipo de gente sentado naquela mesa... O verdadeiro apaixonado ali era com certeza o menor dos problemas.

    Esquecendo de todo o resto, o primeiro caso veio: Rin e Lavi. Conhecia o loiro há um bom tempo para saber que não gostava desses tipos de afetos desnecessários, tanto quanto ele próprio. Mas como rir da desgraça alheia era seu forte, não pôde evitar de gargalhar com a situação. É claro que, ele levara a sorte grande por ser quem teria de tomar a iniciativa. Pelo pouco de tempo que passou ouvindo Lavi falar merda, não foi difícil perceber que Rin estaria com problemas se a garrafa tivesse parado na posição oposta. Entretanto, não poderia ser mais decepcionante, é claro. A graça passou tão rápido quanto o selar dado por cima da mesa, que desanimou Harold de uma forma que desviou o olhar e passou a se interessar mais no que Zion estava fazendo no celular dele. Não durou mais dois segundos e o segundo caso estava pronto.
    Arregalou os olhos acinzentados ao ver o gargalo apontado para si. Puta que pariu. Mas já? E o pior. O fundo apontado para seu amigo ao seu lado. A expressão feita pelo albino foi de incredulidade máxima. Como assim? A porcaria do loiro estava sentado AO SEU LADO. E a garrafa conseguiu deslizar pra perto deles e apontar para os dois. O Wilhelm encarou Rin, desgostoso.

    Não dava pra ter girado pior, não? — É claro que não poderia deixar de reclamar. Era sua essência. Mas certo, também não desperdiçaria aquela oportunidade única. Mal passou o olhar em Arthemis e se sentiu orgulhoso pela irmã conhecê-lo tão bem, fazendo aquela cara de apreensão. O pote de batatas fritas próximo a eles ainda tinha algumas sobreviventes. Harold meteu a mão em busca das últimas, enchendo a boca e mastigando algumas vezes, olhando seu amigo ao lado. Rápido, apertou com força o maxilar de Heike com a destra, forçando-o a abrir a boca e encaixando os lábios aos dele, na pressa. Controlou ao máximo o próprio psicológico para tentar ignorar a sensação do beijo em si, inevitavelmente, passando a achar graça pelo bônus de batatas. Não demorou muito para soltá-lo pela vontade de rir, empurrando a cabeça do loiro para longe com as batatas que caíram em alguns farelos, enquanto terminava de engolir o restante. Pelo menos, um tira-gosto instantâneo. Apenas ficou rindo, esperando que aquele tivesse sido o seu primeiro e último beijo daquela brincadeira escrota.
    avatar
    Heike_Walker
    Áries

    Mensagens : 171
    Data de inscrição : 26/02/2014
    Localização : Na casa do caralho

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Heike_Walker em Qua Jan 28, 2015 8:04 pm

    A noite seguiu tranquila para os padrões do ariano, que estava acostumado com agitação. Ficaram apenas ali bebendo e comendo, conversando. Depois de se alimentarem e beberem os anti-sociais ficaram mais animados, e mesmo que fosse constante alvo de provocações e brincadeiras, não se importava realmente apesar das ameaças e agressões. Estava acostumado e se divertia com isso.

    Ao fim da noite o efeito forte do álcool ja tinha sido um pouco cortado, mas ainda estava bêbado e agora o cansaço contribuía muito para que não estivesse muito são. Sequer percebeu Lavi sair de perto enquanto conversava com Arthemis sobre relacionamentos amorosos (apenas para provocar Zion) quando foi cortado no meio da fala pelo moreno mais velho. Deparando-se com o barman de antes sequer prestou atenção no que o outro dizia, ficou apenas encarando fixamente o alvo de seu interesse, que agora se sentava na sua frente.

    Só se deu conta do que ocorria quando viu a garrafa girar na mesa, mas não demorou de descobrir o seu intento quando ouviu a risada de Harold e viu Rin, de todos ali, dar um selinho em Lavi e depois se afastar envergonhado. É claro que atenção fora desviada completamente ao começar a rir e zoar o estudante de medicina mais novo, se animando com o jogo. Aquela seria uma oportunidade perfeita para trocar saliva com o moreno a frente, e com uma risada observou ansiosamente a garrafa girar de novo.

    O resultado foi o contrário do que esperava. De todas as pessoas, tinha que cair justamente com o albino? Xingando alto, fitou o amigo ao lado com o coração acelerado. - Mas que merda, Haro. - Retrucou, vendo ele enfiar um monte de batatas na boca. Franziu o cenho e deu uma risada alta com tal coisa. Não queria beijar a criatura ao lado, mas o jogo era aquele, certo? E por pior que fosse o desafio, Heike seria sempre o primeiro a ir com tudo, ainda mais bêbado como estava.

    Uma risadinha nervosa escapou do loiro ao ter o maxilar agarrado com força e fez uma cara de nojo pelas batatas, mas retribuiu o beijo com vontade mesmo assim. Aquela era uma situação muito estranha e o gosto de batata com queijo, a textura delas em meio as línguas se enroscando era algo engraçado. Uma gargalhada escapou pelos lábios quando teve a cabeça empurrada para o lado pouco depois, fazendo questão de enfiar a mão na cara do mais novo num soco sem qualquer força. - Que. Nojo. - Resmungou enquanto ria sem parar, fazendo uma expressão de desgosto enquanto pegava um copo com um resto de cerveja agora quente e virava para ajudar a engolir os pedaços de batata na boca. - Nojo. - Rindo, ameaçou o amigo de morte e pegou a garrafa de forma decidida, respirando fundo e tentando ficar sério. Iria beijar o barman, faria isso agora com toda certeza e queria ver quem é que iria impedir.

    Ao girar a garrafa, quase gritou de frustração ao ver que havia sido sorteado de novo, mas por alguém que era o completo oposto do moreno exótico. Rin.

    A raiva da situação não durou mais meio segundo quando fitou o loiro e abriu um sorriso malicioso. Sabia que provavelmente receberia um selinho, mas estava pronto para segurar o menor e aprofundar o beijo assim que ele chegasse perto, sabendo o quanto isso irritaria ele. Não tinha porque ficar estressado, ainda teria outras oportunidades naquela noite para beijar quem queria. - E aí Rin, está com fome? Acho que sobrou um pouco de batata aqui. - Zoou, rindo da besteira e se aproximando dele por cima do que estivesse pelo caminho.
    avatar
    Rin Damien
    Virgem

    Mensagens : 290
    Data de inscrição : 05/03/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Rin Damien em Qua Jan 28, 2015 8:43 pm

    Ignorara o comentário de Harold, apenas vendo o desenvolvimento dos envolvidos no jogo à sua frente. Certamente fora mais interessante, apesar de também mais nojento. Ao menos eles pareciam achar graça da situação, e Rin voltara a sorrir, quieto, observando enquanto Heike parecia superar o acontecido com um copo de cerveja e a garrafa girava novamente. Ver os outros naquela brincadeira era mais divertido do que participar, e não acreditava que sua sorte fosse tão ruim ao ponto de cair novamente em si. Alguns segundos depois, decidiu parar de tentar se consolar com o pensamento de que ficaria quieto no jogo.

    Agora, teria que beijar Heike, com gosto de bebida, comida, e comentários irritantes apenas complementando. – Beijar uma criança poderia me dar problemas, então... – Comentou, o sorriso tranquilo inabalável, enquanto se levantava, apesar da razão  falada ser apenas uma provocação direcionada ao outro. Segurou o rosto do mais novo no lugar, para que não conseguisse se mexer – não que fosse impossível, se ele realmente tentasse – e depositou um beijo na bochecha alheia, logo voltando ao lugar. Então girou a garrafa novamente, para desta vez deslizar e pausar entre Arthemis e Zion, sentados um ao lado do outro. Realmente, não sabia brincar com aquela coisa.

    Porém, sua expressão mudou de leve, para um sorriso mais divertido. Mesmo que fosse o que menos conhecesse do trio da casa da albina, por ele estar sempre isolado em algum canto a não ser que houvesse confusão com os irmãos, era perceptivo o suficiente para notar a enorme queda do ruivo pela própria irmã de criação, e ao mesmo tempo em que poderia ser algo bonitinho não deixava de ser hilário o quão óbvio era. E como Arthemis não notava.
    avatar
    Arthemis W.
    NPC

    Mensagens : 53
    Data de inscrição : 10/12/2014
    Localização : Na cova

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Arthemis W. em Qua Jan 28, 2015 8:52 pm

    Não esperava que o tempo fosse passar tão depressa daquela forma. Por enquanto, tudo o que queria era que os rapazes se comportassem o suficiente para que ninguém saísse machucado ou coisa parecida. Ao menos, todos permaneceram intactos até o horário próximo de encerrar o funcionamento do bar. Achava que iriam se despedir depois de algum tempo, quando Lavi de repente veio arrastando o barman que havia visto anteriormente. A ideia do jogo da garrafa não recebeu nenhum comentário vindo da moça, que apenas observou todos ao seu redor, inevitavelmente imaginando péssimas situações. O que fazer? Obviamente, se estava incluída na brincadeira, tentaria apenas evitar o máximo de confusão.

    Inicialmente, sentiu um pouco de pena de Rin, pela primeira rodada. Mas sabia que ele teria aquela atitude, então, preferiu não fazer nenhum comentário e limitou-se em reprovar mentalmente seu caçula por rir da situação daquela forma, mesmo que não tivesse sido o único. Não demorou até Rin girar a garrafa novamente, fazendo Arthemis seguir olhando o objeto, que deslizou um pouco enquanto rodava até parar. Cobriu a boca com as duas mãos ao ver quem seriam os próximos e tentou tirar o pote de batatas fritas do alcance do irmão, mas já era tarde. Abaixou a cabeça e pousou a mão nos olhos, preferindo não ver a cena trágica. Suspirou fundo.

    Terceira rodada então, veio com Heike, mais uma vez. Rin, também. Mais uma vez, sentiu pena do amigo, mas ele não estava tirando a pior sorte, ao menos. Aquela noite estava começando, apenas? Era uma ótima lição para aprender a pisar no pé de Lavi até amassar, na próxima vez que ele viesse convidar amigos pra sair, junto com seus irmãos. Mas, independente de quem fosse convidar, era inevitável. Eles eram assim afinal, e gostava deles como eram. Levantou a cabeça novamente, suspirando em derrota e por fim parando de pensar.

    A garrafa. O gargalo apontado para si mesma.

    Quando foi que giraram de novo?!

    Como tinham o mesmo sangue, seria engraçado reparar que Arthemis arregalou os olhos igualmente ao irmão mais novo, quando percebeu a própria situação. O que mudava seria a expressão posterior, ao ver que a outra extremidade apontava para seu irmão adotivo. Primeiro havia esquecido que não precisava ser um beijo direto. Sentiu o pânico subir a cabeça com a ideia e o rosto pálido assumiu uma coloração avermelhada de uma hora para a outra. Ficou mais envergonhada do que achou que fosse ficar e mesmo depois de se lembrar que poderia beijá-lo no rosto, ainda continuara sem jeito. Não percebeu quando foi que encostou as costas em Rin, pois afastou o corpo de Zion automaticamente aos poucos pela vergonha, só de pensar em ter que invadir o espaço pessoal do outro. Ao perceber a aproximação com o loiro, voltou a posição anterior e se desculpou silenciosamente.

    Certo, não precisaria ser como os outros, não é? Não havia especificações de como deveria ser o beijo, então não haveria problema. Sorriu para o mais novo, tentando demonstrar que não havia problema algum, mesmo ainda estando totalmente corada. Não quis olhar pra ninguém, era uma situação desconfortável e queria evitar comentários. Levantou a mão até alcançar o rosto cheio de pequenas sardas, puxando-o pra baixo delicadamente. Ergueu a própria face e depositou um leve beijo na ponta do nariz de Zion. Imaginava que ele também devesse estar constrangido pela situação, pois pela mão conseguia sentir o rosto alheio tão quente quanto o seu. Afastou-se e sorriu, movendo as mãos: "Você está bem?"
    avatar
    Zionga
    Aquário

    Mensagens : 62
    Data de inscrição : 07/03/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Zionga em Qua Jan 28, 2015 9:43 pm

    Estava claro que Zion era o mais antissocial dali. Afinal, mesmo após beber e até mesmo se divertir um pouco as custas dos outros, o ruivo não largava o celular de jeito nenhum. Na verdade, tinha até aumentado a coleção de aparelhos eletrônicos portáteis em sua área da mesa, onde mesmo conversando, comendo e até mesmo zoando, não tirava os olhos dos seus "babys". Sabia que não era uma coisa legal de se fazer em uma roda de amigos, mas quem disse que o roceiro se importava? Isso mesmo, ele não falava direito, então não iria dizer para si mesmo, até porque não queria. Até porque já estava em sua natureza ser do contra.

    Entretanto sua atenção para os eletronicos não anulava nem um pouco sua atenção para os acontecimentos, mesmo depois de beber até que bastante — estava no seu sangue ser forte contra o álcool, praticamente — e notou o tal de Lavi se retirar. Quase comemorou a ida do moreno, já que não havia ido nem um pouco com a cara do mesmo, porém quando estava pensando que havia até ido tarde, o mesmo reapareceu com mais alguém. Mas que maravilha, heim. O barman do senhor, pelo menos agora teriam outra coisa para zoar Heike e esse teria um motivo para ficar ainda mais zoável tentando ser aquela pseudo vadia que as vezes tentava. Era momentos sempre hilários e imperdíveis.

    E foi assim que as expressões de Zion acabara mudando várias vezes, fechando-se uma última vez quando ouvira a ideia. Nunca foi muito chegado nessas brincadeiras, na verdade, nunca havia nem brincado disso, por mais que soubesse como funcionava. Quebrou o contato quase hipnótico com as telas a sua frente, direcionando o olhar para Harold e em seguida para Arthemis. A menina estava ali junto, mas não conseguia entrar num consenso com seu interior para definir se aquilo era bom ou ruim. Daquele jeito iria enlouquecer.

    Enquanto pifava, nem prestou bem atenção na primeira rodada, até porque não achava nenhum dos dois ali merecedores de sua atenção, principalmente quando estava tendo um curto circuito. Entretanto a rodada seguinte retirou-o do transe, mas após rir até que bastante, fingiu não se importar e mexer no celular. Porém era mais do que claro que filmaria aquela cena. Não poderia perder a chance de zoar os dois ao mesmo tempo, aquilo era quase que ganhar na loteria da zoeira. Já na terceira rodada, ainda retorcia-se de rir, recuperando-se da desgraça anterior e ignorando a desgraça do amigo de infância por ter que beijar justo Rin. Na realidade, era apenas mais um motivo para rir enquanto tentava se acalmar mexendo em alguns de seus aparelhos.

    Estava quase convicto que não iria cair nem tão cedo em tal desgraça, e de certa forma, não cairá na desgraça. Quando percebera o momento meio tenso/intenso/estranho, olhou para a garrafa com medo de ter sido consigo. E seu medo havia sido confirmado, porém quando acompanhou a outra ponta da garrafa e se deparou com Arthemis, seu amor platônico eterno, corada e sem jeito, até mesmo se afastando, não pode deixar de se espantar. Uma surpresa boa, na verdade. Achara que o acontecimento seria impossível. Ao menos diante de seus cálculos, era uma probabilidade muito pequena para se acontecer. Não que estivesse reclamando, na verdade não sabia o que pensar, o que fazer, apenas olhar a mais velha. Também estava sem jeito, certamente extremamente vermelho também, já que sentia seu rosto e até mesmo seu corpo queimar só com o olhar e a visão da albina lhe olhando daquele jeito. Ela era tão... Perfeita.

    Tentou retribuir o sorriso, mas não deu muito certo, já que um suspirou apaixonado escapou de seus lábios desfazendo-o antes da aproximação acontecer. Fechou os olhos um tanto quanto receoso, não sabia muito da teoria de tais assuntos e então deixou-se levar pelas mãos delicadas da garota. Mas, o que esperava nunca viera a acontecer naquela noite. Ao invés de sentir os lábios delicados sobre os seus, sentira-os sobre a ponta de seu nariz. Por mais que seu interior já soubesse que aconteceria algo assim, sendo Arthemis do jeito que é, tinha criado esperanças, essas que de certa forma foram embora.

    Mas a decepção fora momentânea e, por mais que esperasse mais, nada mudava o fato de ter sido um momento muito especial. Na verdade, um momento maravilhoso, que lhe trouxera uma das melhores sensações. Uma felicidade muito mais do que incomum. Zion realmente gostava da garota, definitivamente.

    Afastou-se ainda meio que nas nuvens, estava com um branco em sua mente, tentando reproduzir a sensação outra vez e outra vez e outra vez. Mas, não seria possível. Acordou parcialmente de seu devaneio quando vira os sinais, demorando um pouco mais para entende-los do que o normal. Sacudiu a cabeça para "acordar" e então tentou responder a mais velha, em vão. Conseguindo um "Sim; estaria; que?" Certamente não seria entendido, então apenas sacudiu uma das mãos, como se fosse para ela esquecer tudo enquanto desnorteado e até meio zonzo, decidiu rodar a garrafa.

    A combinação seguinte demorou para entrar na cabeça cheia de cabelos ruivos do rapaz, fazendo-o acordar pra vida, aquela onde ele sempre se ferrava em tais situações que requeriam sorte e probabilidade. Havia rido tanto do irmão com o amigo de infância que agora teria que beijá-lo também. Que maravilha.

    Levou a mão sobre a face ainda levemente avermelhada enquanto se recuperava de vez da situação anterior e então, com uma expressão fechada, da qual fazia-o nem parecer aquela criança boba da rodada anterior, levantou-se minimamente, passando parte do por cima do irmão e com raiva dando um tapa razoavelmente forte na cabeça de Heike. Em seguida, como sabia que ninguém iria aceitar um tapa como um beijo, por mais que tinha certeza as duas coisas serem iguais para o amigo, decidira então dar-lhe um beijo sobre o local que batera. Ou seja, ao lado da cabeça do loiro. E antes que pudesse se ajeitar e dar continuidade ao jogo, bateu em Heike mais uma vez, apenas para provocar, dessa vez bem mais leve. — Nada de ficar animadinho, viu, rapaz. — Brincou, retornando ao seu lugar.

    Direcionou o olhar mais uma vez a Arthemis, desviando quase na mesma hora quando os mesmos se encontraram. Voltando assim a mexer em seus aparelhos, mas sem deixar morrer o sorriso bobo e alegre que se fixara ao canto de seus lábios.
    avatar
    Heike_Walker
    Áries

    Mensagens : 171
    Data de inscrição : 26/02/2014
    Localização : Na casa do caralho

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Heike_Walker em Qua Jan 28, 2015 10:36 pm

    Talvez estivesse mais bêbado do que pensava, afinal sequer conseguiu concluir seu intento de beijar o loiro. Quando se deu conta ele já tinha se afastado. Riu baixo com o beijo delicado na bochecha, então mostrou a língua pra ele, sem se importar se aquilo apenas confirmava o fato de ter sido chamado de criança.

    Piscou e suspirou, começando a ficar com sono. Ignorando um pouco as risadas, desviou o olhar para o barman da forma mais discreta que conseguiu, tentando lembrar se Lavi tinha falado o nome dele, quando notou a atenção com a qual ele fitava Rin. Não estava entendendo mais nada, mas uma centelha de irritação se formou no peito ao pensar que talvez ele estivesse interessado no mais velho. Ótimo.

    Cruzando os braços e bufando, voltou a atenção para o jogo a tempo de ver Arthemis, completamente corada, segurar o dos de Zion e se aproximar. O ariano arregalou os olhos, sem acreditar no que via e sabendo da atração do ruivo pela irmã adotiva, mas um palavrão escapou os lábios quando a mulher deixou um beijo casto na ponta do nariz dele. Era fofo, claro, e podia esperar apenas isso dela, mas torcia pelo amigo. Ao mesmo tempo que não se conteve em rir da cara dele por não conseguir o que queria.

    Acabou se surpreendendo ao ver a garrafa girar em sua direção DE NOVO e com Zion ainda por cima. Nem para ser com o bonitão, tinha que ser seu outro amigo de infância. Piscou, olhando para ele com cara de tacho para esconder o nervoso, afinal, não queria aquele contato e já esperava alguma merda ao ver ele passar por cima de Harold com a expressão séria. O tapa forte o deixou meio sem reação, para uma gargalhada preencher o ambiente em seguida ao sentir o beijo e outro tapa. A mão dele era pesada, mas não é como se ligasse. Conseguia lidar com violência muito melhor do que com intimidade relacionado aos dois amigos.

    Abriu um sorriso malicioso ao escutar o comentário e balançou a cabeça de forma negativa enquanto pegava a garrafa. - Pode deixar que não vou me animar, sei que tá guardando seu bv pra uma branquela aí, seu nerd. - Fez questão de falar bem alto para garantir que ele ouviria, rindo e girando o objeto. Rin e Arthemis, provavelmente mais selinhos ou beijos infantis.
    avatar
    Rin Damien
    Virgem

    Mensagens : 290
    Data de inscrição : 05/03/2014

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Rin Damien em Qua Jan 28, 2015 11:15 pm

    Ficara extremamente tentando a empurrar Arthemis na direção de Zion quando sentiu que ela se afastara o suficiente para estar com as costas encostadas em si. No entanto, não teve coragem, vendo o quanto envergonhada ela se encontrava situação. Seu sorriso continuou divertindo enquanto observava a aproximação, até ter que virar o rosto e cobrir a boca novamente, desta vez, contendo o riso que queria deixar seus lábios com o que ocorrera. Era tão previsível, e ainda assim, imaginara se a menina teria coragem de dar um beijo direto no ruivo. A resposta fora não, mesmo que a situação não deixasse de ser estranhamente adorável.

    No próximo giro, fora Zion de novo, tendo que beijar Heike; depois de um nível de afeição que era de se esperar entre os dois, a garrafa fora girada novamente, e mais uma vez deslizara sobre a mesa de modo que caísse em uma pessoa exatamente ao lado da outra. Ao menos não fora sua culpa. Desta vez, teria que beijar Arthemis. Por um segundo, a encarou, surpreso, até lembrar com que estava lidando. Não seria algo estranho aos dois, mesmo sendo amigos próximos. Não é como se fizessem coisas do tipo frequentemente, também, mas a albina era alguém com se sentia suficientemente confortável para realizar a ação seguinte. Algum ponto de sua mente também tinha noção de que o que faria provavelmente irritaria certas pessoas, porém, não conseguia deixar de pensar naquilo como divertido.

    O sorriso em sua face se tornara pequeno, porém, era um de seus mais verdadeiros, apesar de sentir uma leve queimação subir em seu rosto conforme se aproximava. Passou o braço que se encontrava próximo a Arthemis em volta da cintura alheia, enquanto o outro levava a mão ao rosto da mesma. Pressionou os lábios nos dela em um movimento simples, no entanto, não o deixando ser apenas um selo; os movimentando em uma ação verdadeira que há muito tempo não fazia. Não fazia questão daquele tipo de coisa, e a pessoa a que beijava fora uma das únicas exceções a isto na vida de Rin; momentos depois, aprofundou o beijo de modo a prolonga-lo um pouco mais.

    Não havia qualquer malícia no ato, apenas a afeição presente no conforto, na intimidade, no fato de ser algo familiar. Em alguns segundos, quebrara o contato. Entretanto, ao abrir os olhos que mal notara ter fechado, fez questão de olhar para a pessoa sentada do outro lado de Arthemis, apenas um canto dos lábios subindo em um sorriso que claramente desafiava o outro em questão ao que ocorrera previamente, o mantendo apenas por um breve segundo, antes de se afastar por completo e voltar a encarar os presentes.

    Conteúdo patrocinado

    Re: [#01] Jogo da Garrafa

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Qua Out 18, 2017 10:46 am