Fórum RPG somente para jogadores dentro o grupo. Caso tenta interesse em entrar, entre em contato com a administração.


    [#03] Turno livre - Fora da Nave

    Compartilhe
    avatar
    Rin Damien
    Virgem

    Mensagens : 292
    Data de inscrição : 05/03/2014

    [#03] Turno livre - Fora da Nave

    Mensagem por Rin Damien em Seg Jan 11, 2016 10:19 pm

    Estava se mantendo ocupado naqueles últimos meses, e com a volta de Nero e Heike para nave, suas atividades se mantinham da mesma forma. A diferença na relação que tinha com ambos, porém, mudara. Nero passara de seu amigo para um estranho por uma besteira que fizera, mas agora, tanto tempo depois, tinham voltado à dinâmica normal. Fora perdoado, o que apenas aumentava a resolução que tinha de fazer as coisas absolutamente certas. De diminuir os erros idiotas que poderia evitar, ao mesmo tempo em que tinha que aceitar que errar fazia parte da vida. Com Heike, era um pouco mais delicado. Ren, que fora uma figura paterna – ainda que questionável – para o ariano, tinha morrido. Explicara para ele, com a ajuda de Abel, o que acontecera e a gravidade da situação, além do parentesco que tinha com o antigo regente. Ainda era uma das poucas pessoas que sabia da verdade sobre Lilith e da ameaça sob a qual estavam; algum dia aquilo iria mudar, mas não era hora de questionar quando.

    Queria poder apoiar o regente de Áries de alguma forma, mesmo que pela memória de seu irmão, já que nunca planejara realmente ficar próximo a ele. De fato, tinha em mente usá-lo para chegar a seu pai, mesmo sabendo o quão deturpado aquilo poderia ser. Era uma hipocrisia imensa querer fazer algo por Ren após sua morte, mas não deixava de ter uma sensação de vazio ao pensar naquele assunto. De se arrepender do que planejara, nunca tendo em vista realmente conhecer uma das únicas pessoas vivas que possuíam seu sangue. A que sobrara era a que queria de fato matar, mas acabara sujando suas mãos com alguém que apenas sofrera com o destino que lhe fora dado. Que não fora forte o suficiente. Não sabia como alguém poderia ser, com Lilith. Se tivesse ele tivesse mais apoio, talvez houvesse chance das coisas terminarem de forma diferente.

    Bom, não adiantava pensar tanto no passado, se já havia aprendido o que podia com ele.

    O que restava ao virginiano era olhar para o futuro. E o futuro se apresentava bem à sua frente, na sala de treinamento, com cheiro de metal queimado vindo de equipamento destruído. Tinha sido avisado que Heike estava tendo um de seus ataques de raiva, e como Nero estava ocupado naquela hora em específico, fora ver se podia fazer algo quanto àquilo. Agora que controlava metal, era mais fácil. Ainda que o outro pudesse derreter dito metal. O encontrou em meio a equipamentos que provavelmente estavam sendo usados antes de serem tirados do local ou derretidos pela fúria alheia. Conseguia sentir a raiva do maior mesmo na entrada, observando que não sobrara ninguém no local devido ao perigo momentâneo.

    Suspirou lentamente, cruzando os braços enquanto pensava no que poderia fazer. Obrigá-lo a parar seria trabalhoso e geraria mais destruição, ainda que fosse recorrer a isso se necessário. O ariano deveria estar com raiva, triste, e com mais um fardo imenso de sentimentos que sabia apenas extravasar violentamente. Com aquele pensamento, uma ideia iluminou a mente de Rin. – Heike. Pare de destruir a nave. – Antigamente era uma constante, mas parecia ter muito tempo desde que vira qualquer coisa explodindo, ou sendo destruída desnecessariamente. O tom do loiro menor tinha uma suavidade ainda maior que a normal, mesmo que as palavras fossem autoritárias. – Se precisa destruir coisas, por que não pega uma missão? – Parecia um ótimo conceito. Mesmo que não tivessem nenhuma urgente, talvez fosse bom para o ariano sair daquele local, e acabar com alguns monstros ao invés de objetos inanimados. Seria produtivo, ao menos. Talvez a única forma que conseguisse ajudar fosse pensando naquele método de canalizar a força. Ou uma conversa, que planejava ter depois. Mas tinha a impressão de que um “quer conversar” não seria muito bem recebido naquela situação.
    avatar
    Heike_Walker
    Áries

    Mensagens : 172
    Data de inscrição : 26/02/2014
    Localização : Na casa do caralho

    Re: [#03] Turno livre - Fora da Nave

    Mensagem por Heike_Walker em Seg Jan 11, 2016 11:06 pm

    Um tempo depois que ocorreu a difícil conversa com Abel e Rin, onde descobriu sobre a morte de Ren e onde finalmente deixou de se sentir no escuro quanto a situação de tudo que ocorria relacionado aos problemas que tinham, Heike se encontrava exausto. Não fisicamente, apesar de voltar a dormir quase nada, mas mentalmente.

    Parecia impossível tirar tudo aquilo da cabeça por mais que tentasse se distrair. Já tinha lido vários livros de tática e história, até mesmo de magia, passava horas no centro de treinamento se exercitando e ocupando a mente, dava longas caminhadas e meditava sempre que podia para conter o temperamento. Havia até mesmo tentado conversar com Nero e o regente de touro mesmo não sabendo dos detalhes por si, estava lhe apoiando como podia em meio a volta atarefada a liderança dos regentes.

    Apesar de tudo isso havia algo dentro de si que não passava. Um vazio, uma raiva, uma tristeza que o deixava muitas vezes sem palavras e sem vontade de fazer qualquer coisa. Estava tentando superar a morte de Ren, afinal sabia que perder a vida é um risco constante para todos os regentes a qualquer instante, porém aquilo estava se mostrando mais difícil do que parecia. Não era sempre que tinha Ren por perto, cada um tinha a própria vida e obrigações, mas saber que nunca mais iria ver ou socar aquela cara irritante lhe trazia um desespero amargo no fundo do peito, uma solidão que só tinha experimentado quando era criança. Por consequência andava no limite a todo momento, tendo que trabalhar dobrado para conter tanto a energia herdada de Kain quando o poder aumentado vindo da própria constelação. Era frustrante não poder se soltar já que ou ficaria louco e tentaria matar mais algum colega, ou fritaria metade de toda a nave mãe sem querer.

    Assim gastava a própria energia sempre que podia, buscando a exaustão para conseguir se manter calmo. Esse pequeno plano era efetivo sempre, porém hoje quanto mais treinava e se exercitava mais enérgico se sentia, e mais irritado ficava. Chegou ao ponto de acabar espantando todos do local sem sequer perceber quando excedeu os limites e começou a destruir o enorme salão mesmo sem a intenção. Torrava tudo que via pela frente e o sistema já tinha parado de funcionar e criar inimigos quando foi tirado dos próprios pensamentos por uma voz suave.

    Respirando fundo, parou o que fazia e se endireitou, virando-se para encarar o virginiano de braços cruzados na porta. Piscou algumas vezes, fechando a expressão e então olhando ao redor, finalmente percebendo todo o estrago que tinha feito.

    Não tinha falado direito com Rin depois do ocorrido, buscava evitá-lo a todo custo e tinha ignorado completamente a sugestão alheia de voltar para a terapia que começaram meses atrás depois de perder o controle. Descobriu que ele era irmão de Ren e tal coisa só o deixava incomodado e nervoso, e apesar de não entender o motivo, preferiu se manter longe enquanto tentava lidar com tudo isso. Hoje porém não sentiu nenhuma raiva, rancor ou qualquer outra coisa negativa vendo-o parado ali, então ponderou por alguns minutos,  assentiu e aceitou dar uma chance para sua sugestão, acessando dali mesmo em silêncio pelo próprio olho mecânico o sistema central das missões. Talvez fosse mesmo uma boa ideia, sair dali e extravasar o poder acumulado, e tinha uma opção que parecia perfeita pra isso: Monstros numa área parcialmente isolada, não muito distante da nave mãe.

    Acho.. Que é uma boa ideia. - Disse por fim depois de um tempo, piscando e voltando a se concentrar no menor. Rin não era uma pessoa ruim, tinha descoberto isso no tempo em que se aproximaram, quando ele ajudou a superar o trauma que tinha sofrido e causado para os outros. Talvez... Fugir dele e evitar o assunto em questão agora não era o melhor a se fazer, visto que não estava conseguindo superar suas dores.

    Respirando fundo, coçou a própria nuca e desviou o olhar de forma irritada para um ponto qualquer. - Você... Hm. Poderia vir comigo... ? Tem uma missão que parece tranquila, classe K-03. Nero me disse que você tem treinado... Talvez seja uma boa chance, de colocar em prática. - Tentou num tom mais baixo, contendo o próprio gênio difícil. Depois de tudo que tinha passado, estava tentando realmente ser mais honesto com certas coisas, principalmente quando se sentia vulnerável sem necessidade.
    avatar
    Rin Damien
    Virgem

    Mensagens : 292
    Data de inscrição : 05/03/2014

    Re: [#03] Turno livre - Fora da Nave

    Mensagem por Rin Damien em Ter Jan 12, 2016 12:00 am

    Para alguém que havia destruído metade dos equipamentos que aquele salão possuía, a resposta fora surpreendentemente calma. Supunha que aquilo refletia o treinamento que Heike tivera para se controlar. O tinha visto fora de controle quando ele chegara de viagem e recebera a notícia da morte; entendível, talvez, pelo tamanho do baque recebido. Em uma frustração rotineira, o ariano parecia estar com uma tendência maior a parar, e o mais incomum, a aceitar uma sugestão. Um pequeno sorriso se formou na face de Rin com aqueles sinais, enquanto observava o outro procurar uma missão e em seguida dar uma resposta positiva. Todos estavam mudando, afinal.

    Esperara menos ainda a questão seguinte, que pedia de forma ligeiramente insegura que o virginiano fosse junto. Não tinha problema em perder seus compromissos se significava estar em uma missão, mesmo que não fosse tanto treino assim para nenhum dos dois. Não era nada urgente, afinal, era? Talvez pudesse praticar certas coisas, mas... Não achava que teria uma chance de conversar com o outro regente ou passar algum tempo com ele tão cedo, após a negação em ter qualquer terapia. Havia alguma hesitação em si sobre aquilo, imaginando que não tinha as palavras certas para ajudá-lo a se sentir melhor. Que sua presença, talvez, pudesse piorar a falta que ele sentia de Ren. Havia certa culpa ali também, provavelmente. Ele próprio terminara a vida de seu irmão, mesmo que tivesse apenas cessado o sofrimento alheio. Não contara todos os detalhes, afinal. Todavia, justamente por aquelas lembranças, e por acreditar que poderia fazer algo para ajudar o que fora um filho para o sagitariano, meneou a cabeça em concordância.

    Ativou o comunicador para informar à equipe técnica que a sala de treinamento estava livre para consertos, antes de virar-se na direção da porta, certificando-se de que seria acompanhado por Heike antes de começar a andar. – Onde é, exatamente?  – Classe K-03 significava que era fora da nave, mas ainda perto o suficiente para não se depararam com áreas inexploradas, onde era o habitat de seres piores. Se encaminhava para a área onde poderiam pegar uma das naves para se locomoverem com mais facilidade, ainda que não fosse estritamente necessário, se fosse próximo demais.
    avatar
    Heike_Walker
    Áries

    Mensagens : 172
    Data de inscrição : 26/02/2014
    Localização : Na casa do caralho

    Re: [#03] Turno livre - Fora da Nave

    Mensagem por Heike_Walker em Ter Jan 12, 2016 4:35 pm

    Não soube bem o que pensar quando Rin meneou a cabeça em concordância, afinal não esperava que ele fosse aceitar assim tão rápido. Ainda que estivessem vivendo um momento relativamente pacífico, imaginava que ele estaria ocupado demais com seus trabalho de líder no lugar de Harold para que aceitasse sem pensar muito. Não fazia muita diferença no fim das contas, já que sabia que uma missão daquele porte seria finalizada em poucos minutos sem maiores problemas. - Poucos quilômetros daqui, a oeste. Perto de algumas fazendas. - Comentou baixo, seguindo o outro sem se importar em vestir a própria armadura ou avisar Nero que estava saindo. Realmente não estava nem um pouco preocupado.

    No entanto imaginava como seria aquela experiência. Tinha realmente muito tempo que não conversava ou passava algum tempo com Rin sem que estivessem lidando com algum problema ou que estivessem apenas tomando café ao nascer do dia. Se perguntava o quanto ele estava mais forte, ou se ainda tinha aquela personalidade prática e meio distante de sempre. Depois de pouco mais de seis meses longe da nave mãe, tudo parecia um pouco diferente para si, ainda mais depois de ter mudado tanto internamente também. Parecia que tinha um século que não realizava nenhuma missão simples com os outros regentes, e isso o deixava um pouco animado.

    Claro que essas situações sempre terminavam em conflito ou confusão, mas lhe traziam boas lembranças.

    Escolheu uma nave pequena mesmo e sem enrolação já foi acionando os controles e fazendo contato com a central para pegar as coordenadas, esperando Rin se ajeitar. Não demorou para que já estivessem ao ar e poucos minutos depois já se aproximavam da zona de conflito, onde pelo painel mesmo pôde ver criaturas gigantes destruindo as grandes fazendas e máquinas que recolhiam os vegetais. - Parece que as coisas estão animadas por aqui. - Comentou ao virginiano, iniciando os processos de pouso. Poderia atirar nas criaturas do céu mesmo, mas aquilo não teria graça nenhum, teria?
    avatar
    Rin Damien
    Virgem

    Mensagens : 292
    Data de inscrição : 05/03/2014

    Re: [#03] Turno livre - Fora da Nave

    Mensagem por Rin Damien em Sab Dez 17, 2016 1:24 am

    Foram necessárias apenas algumas ligações pelo comunicador enquanto caminhava para resolver o necessário de modo que pudesse se ausentar de suas responsabilidades. Não trabalhava na Área Hospitalar todos os dias, então a equipe médica não ficava perdida sem sua supervisão; o mínimo de competência esperada. Já os relatórios que tinha que fazer como líder dos regentes possuíam um prazo certo, mas estavam sempre indiscutivelmente adiantados. Se quisesse, poderia muito bem deixar de fazê-los por alguns dias, mas preferia acabar com o trabalho assim que chegava em sua mesa, se próprio tempo e condição – ou cansaço, dependendo do tipo de treinamento –  permitisse.

    Seria uma missão muito mais fácil do que diversas com as quais já tinham lidado. Apenas por aquela razão deixou a roupa mais eficiente para batalha apenas nos pensamentos; já tivera que passar por situações piores sem ela. Apenas parou no meio do caminho para pegar a lâmina que agora aprendera a usar como arma, no formato de metade de uma tesoura. Também treinara criar ela de diversos metais, e até mesmo das paredes da nave, apesar de evitar mexer com a infraestrutura local. Mesmo naquele período de paz, sentia que ela já sofria demais na mão dos outros. Poderia, de fato, ser uma boa chance de praticar combate próximo, ao mesmo tempo em que poderia usar magia de terra. Era uma habilidade que, em situações de emergências dentro um ambiente metálico, era comumente ignorada.

    Heike parecia ansioso o suficiente para mexer nos controles da nave e os guiar até o local, então apenas ajeitou-se e deixou que ele cuidasse daquele ponto. Não foi uma viagem tão longa para que tivessem uma chance de conversar, e como o virginiano também não era adepto a falar apenas por falar, passou os minutos em silêncio. Logo conseguia localizar uma paisagem natural, de onde alguns produtos eram exportados para serem consumidos e servirem na produção das naves. Aquele tipo de fazenda cercava todo o perímetro das mesmas, mesmo que dentro das réplicas de cidades desenvolvidas houvesse também sistemas de agricultura. Havia segurança ainda por aquela área, que era próxima o suficiente de locais onde monstros vagavam para que vez ou outra houvesse uma invasão. Normalmente, estas tinham um fim após chamarem pessoas apropriadas para cuidarem daquilo.

    Pessoas apropriadas que normalmente não envolviam os Sabaoth, a não ser que estivessem entediados o suficiente.

    As criaturas que atacavam as máquinas pareciam grandes o suficiente para dar certo trabalho. Não indicavam claramente ter qualquer tipo de mutação, também. Pela primeira vez em algum tempo, o loiro mais baixo sentia certa adrenalina no fundo de seu estômago. Não era o suficiente para tirar a calma e a capacidade de raciocínio que estavam sempre consigo, então era algo bem vindo quando estava em qualquer missão de campo. Passara tempo o suficiente treinando para passar a apreciar aquele tipo de coisa, talvez? Não sabia. Um pequeno sorriso surgiu novamente em seu rosto com o comentário do ariano. – Sim. Vamos resolver isso antes que destruam mais coisas. – Sabia que o outro não atirara porque queria ir para a luta pessoalmente, e não comentou o fato. Era para que o mais novo conseguisse distrair a cabeça, então mesmo que o mais eficiente fosse cuidar da maioria dos monstros de onde estavam, o acompanharia naquela luta sem questionar. Era um bom treino, afinal.

    Esperou que a nave pousasse, afastada da comoção, antes de levantar-se do banco em que se encontrava e ir em direção da porta do transporte, que estava sendo aberta naquele instante. No momento em que pisou em terra firme, tentou focalizar pela presença no próprio solo quantos seriam ao todo. Normalmente difícil em uma área tão extensa, mas facilitado pelo porte dos animais. – Aproximadamente dez deles. Alguns mais longe. É melhor tentar cuidar deles separadamente, pra que destruam menos. – Pegando a lâmina tesoura do suporte que havia nas próprias costas, ofereceu um pequeno sorriso para o regente de Áries, os olhos refletindo a mudança de expressão. Não tratava aquilo como mais do que prática, mas ainda havia bens para proteger. Pessoas já tinham evacuado da área, fazendo da próxima sugestão uma possibilidade. Sabia, por convivência, do quanto o outro gostava de desafios. O próprio Rin não tinha nada contra algo do tipo, e talvez, só talvez, a proposta conseguisse o animar um pouco mais. Não mudou a suavidade do tom com a questão, como se estivesse sugerindo apenas que fossem em frente.  – Quer ver quantos cada um consegue matar?

    Conteúdo patrocinado

    Re: [#03] Turno livre - Fora da Nave

    Mensagem por Conteúdo patrocinado


      Data/hora atual: Dom Dez 17, 2017 10:53 am